Problemas mais frequentes: Síndrome do Túnel do Carpo

O que é a Sd. do Túnel do Carpo?

A Síndrome do Túnel do Carpo (STC) é a compressão do nervo mediano na região da mão e do punho. Ela é a síndrome compressiva nervosa mais freqüente e acomete principalmente mulheres entre os 35 e 50 anos e mulheres acima de 60 anos. Em homens, a ocorrência é bem menos frequente e usualmente menos intensa. Sua causa é multifatorial e pode estar associada à inflamação dos tendões flexores dos dedos. O túnel do carpo se assemelha a um túnel de ponta cabeça, onde o teto seria os ossos do carpo e o asfalto seria o ligamento transverso do carpo. Por dentro desse túnel, passam 9 tendões flexores e o nervo mediano. O processo inflamatório provoca um inchaço dessas estruturas e o túnel fica apertado, comprimindo e limitando a excursão do nervo dentro do túnel. O nervo reage com espessamento do epineuro externo e interno o que agrava ainda mais o quadro compressivo.

Algumas condições ou doenças predispõe o desenvolvimento desta patologia. A gravidez é uma causa frequente de STC, pois o corpo da mulher fica inchado durante a gestação. A artrite reumatóide e outras doenças de depósito também favorecem o desenvolvimento da STC, pois provocam sinovite dos flexores do punho.

 

Diagnóstico

O diagnóstico pode ser feito exclusivamente através do histórico de sintomas do paciente e do exame físico, através de testes específicos. Os sintomas podem ser variáveis, mas a sensação de mão inchada, a dormência e o formigamento dos dedos são muito comuns e costumam piorar à noite e durante atividades como dirigir e falar ao telefone. Choques ocasionais e desconforto no trajeto do nervo também podem ocorrer. Nos casos mais graves, pode ocorrer atrofia muscular e perda de alguns movimentos do polegar, além de perda da sensibilidade do polegar, dedos indicador, médio e anular. Também é muito comum os pacientes relatarem perda de firmeza nas mãos e derrubar objetos das mãos.

 

Tratamento

Nos casos iniciais, a utilização de imobilização noturna por 4 semanas associada a anti-inflamatórios, resolve o problema na maioria das vezes. Nos casos moderados, a complementação com terapia ocupacional para melhora da inflamação e da excursão do nervo mediano é sempre válida. Nos casos mais graves ou nos casos onde ocorre falha no tratamento conservador, o tratamento cirúrgico através da descompressão do túnel do carpo é a melhor opção.

A cirurgia para descompressão do túnel do carpo é um procedimento relativamente simples, rápido e seguro. Quando bem indicada, resolve o problema em mais de 90% dos casos. Ela pode ser feita através de cirurgia aberta tradicional ou através de técnica minimamente invasiva com auxílio da artroscopia. Ambos os métodos são válidos e eficazes em aliviar os sintomas da STC. As principais vantagens do método artroscópico é o tamanho reduzido da incisão (1 cm) e a localização da incisão que promove uma cicatrização menos dolorosa e com menos fibrose. A desvantagem do método é sua maior complexidade e a maior chance de complicações mais sérias. Esse método deve ser reservado aos cirurgiões de mão que tem ampla experiência prévia com o método aberto tradicional e operam STC com alguma frequência. Para os profissionais com menor experiência e não-especialistas, o método tradicional aberto é mais seguro. Ambos os métodos podem ser realizados com anestesia geral, bloqueio ou local.

 

Como é o pós-operatório?

O paciente geralmente recebe alta no mesmo dia da cirurgia, com uma imobilização curta no punho. A imobilização é descontinuada após 1 semana de pós-operatório e o paciente é liberado para movimentar o punho e dedos livremente, mas sem grandes esforços. Os pontos são removidos com cerca de 10 a 14 dias e o paciente é orientado a realizar terapia ocupacional para tratamento da cicatriz e redução do inchaço. Com cerca de 1 mês de pós-operatório o paciente é orientado a retomar gradualmente todas suas atividades do dia-a-dia, inclusive dirigir. A recuperação para o retorno às atividades mais intensas, inclusive esportes, é encorajada ao redor de 8 semanas.

As complicações são pouco frequentes (<10%) e na maioria dos casos passageiras, tais como fibrose pericicatricial e dor residual peri-incisional. A descompressão incompleta do ligamento transverso do carpo e a lesão do nervo mediano são complicações mais graves e que geralmente necessitam de uma nova cirurgia para corrigir o problema. Seus sintomas são a manutenção ou até piora do quadro de dor ou dormência na mão por um período superior a 3-6 meses, apesar de reabilitação adequada.  Essas complicações são mais frequentes pelo método artroscópico e por isso este método deve ser executado de preferência por especialistas e profissionais com maior experiência.

 AGENDE UMA CONSULTA

Voltar